Novo combinado olímpico: o que nos espera em Paris 2024

A estreia da Escalada Esportiva nas Olimpíadas de Tóquio foi um sucesso. O esporte foi apresentado para uma nova audiência e agradou, tanto que vai voltar para Paris 2024 e já está com um pé em Los Angeles 2028. Mas o modelo de competição utilizado em Tóquio, o combinado das 3 modalidades, não retorna mais para os Jogos Olímpicos.

Em Paris, o programa da Escalada Esportiva foi ampliado. Agora serão 4 medalhas de ouro e mais atletas competindo. Neste novo programa agora teremos disputas na Velocidade, de forma separada, e no novo combinado de Guiada e Boulder. Depois do anúncio, a grande pergunta era como iria funcionar este novo combinado, mas agora a IFSC já divulgou a primeira versão das regras que deverão ser utilizadas nos jogos de 2024.

O novo combinado vai usar um sistema de pontuação baseado em performance, com a pontuação final de cada atleta sendo a soma dos pontos acumulados nas duas modalidades. A pontuação máxima será de 200 pontos, igualmente distribuídos entre a Guiada e Boulder.  Mas para dividir igualmente a pontuação e deixar mais equilibrado o peso das duas performances, alguns ajustes foram feitos, principalmente no boulder.

Boulder

Na fase do Boulder o total de pontos possíveis será de 100. A fase contará com 4 problemas valendo 25 pontos cada. A grande novidade é a existência de duas agarras zonas por boulder. A inclusão de uma zona extra se deu pela necessidade de separar melhor as performances em cada problema e equilibrar a quantidade de pontos possíveis entre as duas modalidades.

Em cada boulder o controle da primeira zona valerá 3 pontos, o controle da segunda zona valerá 6 pontos e o top, 25 pontos. Vale apontar que a pontuação de cada “trecho” já está somada com a anterior. Sendo assim a pontuação total do boulder poderia ser simplificada da seguinte maneira: Top (25) = 3 (Z1) + 3 (Z2) + 19 (Top)

Em caso de empates, será descontado 0.1 pontos de cada tentativa feita para o Top.

Guiada

Na guiada, cada fase continua com apenas 1 via, escalada à vista e valendo um total de 100 pontos. A grande mudança é que agora haverá diferentes zonas de pontuação, que vão ficar cada vez maiores à medida que o atleta chega mais alto. A mudança foi feita para refletir o continuo aumento de dificuldade das vias e para ser melhor comparada com a performance do Boulder.

Somente as últimas 30 agarras valerão pontos, divididos da seguinte maneira: as últimas 15 agarras valerão 5 pontos cada, as 10 agarras abaixo destas valerão 2 pontos cada, e as 5 agarras abaixo destas valerão 1 ponto cada. Qualquer agarra abaixo dessa zona não valerá pontos. O “+” será usado apenas no caso de empates.

Estreia agendada

O novo modelo já tem estreia programada para o European Championships em Munique, no mês de agosto, e a IFSC incluiu no calendário uma etapa da Copa do Mundo que utilizará o novo formato, prevista para acontecer em outubro na China.

Assim como aconteceu com o combinado das 3 modalidades, este modelo não necessariamente é o que será usado em Paris 2024, já que ele deve ser testado e aprimorado, caso necessário, até os jogos.

 

 

Sem Respostas para "Novo combinado olímpico: o que nos espera em Paris 2024"